1678540344banner-970x90-bello.png

O homem nu

Por Marcelo oXarope
12/09/2023

Publicado em

120923noticia_1

Aniversário, fim de ciclo, início de outros e um poema despido de corpo e alma.

Hoje, em meu aniversário, perguntaram-me se tenho orquídeas, casamento, mesa de centro, roupas de grife, óculos escuros.

Indagações incoerentes, exatamente como os riscos de caneta quase involuntários que faço na palma das mãos e que terminam por manchar minhas roupas mais claras.

Hoje, em meu aniversário, minha medida de tolerância está entre passar pela ponte da praça vazia na madrugada fria e chegar até o observatório da solitude no meu quarto em dia claro.

Uma memória que tem sido furtiva em mim, como se eu pisasse em areia molhada de mar.

De um lado a outro, esta abulia tem dois mistérios: o da poesia e o daquele que a lê, com as devidas interseções.

Daí começo a me despir de pedaços de panos velhos, pra alegria de também velhos amigos.

Não me refiro aqui às roupas neutras dos dias de comemoração.

Falo é de me desnudar do ócio.

Com um pouco de recato, claro, porque hoje, em meu aniversário, discrição é uma questão de conservação.

Bom…dizem que ando mais clássico, chupando drops, ouvindo rock.

Outros dizem que quero ser notado – e não exatamente amado.

Estas tolas vozes que sussurravam caminhos e eu, quase inconsciente, seguia-os claudicante, surfando as notícias de botequim.

Mas o que eu desejo hoje, de verdade, no meu aniversário, é a junção de um certo ar de naturalidade e um punhado de liberdade.

E a esperança declarada do hábito do bom gosto.

Não vou negar que tenho saudade de certa juventude e de mim mesmo assim frugal.

De escrever no amarelado moleskine no parapeito da janela natural.

De alguma essência de paz entre o sopro do dia e o do crepúsculo.

De ser célebre pelo que eu era e não pelo que vestiria.

E de trilhar descoberto, sem conceitos.

Por isso mesmo que hoje, no meu aniversário, estou tirando a roupa toda pra caminhar cantando, pensando nas invenções dos séculos.

Cinema, rádio, smartphone.

Foguete, livro, psicanálise, headphone.

Torpor, amor.

TV, streaming, globalização.

Vida após a morte, comunicação.  

Eu tiro a bermuda, tiro a camiseta, eu tiro o conforto e caminho nu.

Se criarem um jeans humanizado e eu perceber que estou, de certa forma, transformado, aí sim, volto a me vestir.

Por enquanto, hoje, no meu aniversário, o presente soa como um país estrangeiro, muito postado em seu terno bem cortado.

E eu sou um homem jovem de algumas décadas, em que a única extravagância é ficar (des)pelado.

O futuro? O futuro pertence exatamente aos homens de alma jovem.

Hoje, no meu aniversário, sou este tempo, desarmado, desafetado.

Vestido tão-somente de mim.

Sem disfarce, sem filtro, espírito nu. E sem fim.

Por: Marco Jardim (@marcoajardim no Instagram)

1678540344banner-970x90-bello.png

Mais recentes

Defensor Público cobra de candidatos projetos de inclusão voltados às pessoas com deficiência

Em outubro teremos eleições para a escolha de prefeitos e vereadores. Será que nas plataformas de campanha…

Fimose: comum em meninos, o problema também pode afetar homens adultos e sua fertilidade

O tema é um tabu para os homens: fimose. A condição ocorre quando há excesso de pele…

Jornalismo profissional é verdadeiro antídoto contra a desinformação

Avaliação é de professor da Universidade da Beira Interior Jornalismo profissional é verdadeiro antídoto contra a desinformação…

O jurista e o advogado

Ao ministrar palestra para a primeira turma do curso de Direito da Faculdade Bela Vista, um dos temas que…

Declaração de imposto de renda pode mudar para motoristas de aplicativo

O governo federal está propondo um Projeto de Lei que impactará diretamente os motoristas de transporte de…

O homem nu

Por Marcelo oXarope
12/09/2023 - 21h34 - Atualizado há 7 meses

Publicado em

120923noticia_1

Aniversário, fim de ciclo, início de outros e um poema despido de corpo e alma.

Hoje, em meu aniversário, perguntaram-me se tenho orquídeas, casamento, mesa de centro, roupas de grife, óculos escuros.

Indagações incoerentes, exatamente como os riscos de caneta quase involuntários que faço na palma das mãos e que terminam por manchar minhas roupas mais claras.

Hoje, em meu aniversário, minha medida de tolerância está entre passar pela ponte da praça vazia na madrugada fria e chegar até o observatório da solitude no meu quarto em dia claro.

Uma memória que tem sido furtiva em mim, como se eu pisasse em areia molhada de mar.

De um lado a outro, esta abulia tem dois mistérios: o da poesia e o daquele que a lê, com as devidas interseções.

Daí começo a me despir de pedaços de panos velhos, pra alegria de também velhos amigos.

Não me refiro aqui às roupas neutras dos dias de comemoração.

Falo é de me desnudar do ócio.

Com um pouco de recato, claro, porque hoje, em meu aniversário, discrição é uma questão de conservação.

Bom…dizem que ando mais clássico, chupando drops, ouvindo rock.

Outros dizem que quero ser notado – e não exatamente amado.

Estas tolas vozes que sussurravam caminhos e eu, quase inconsciente, seguia-os claudicante, surfando as notícias de botequim.

Mas o que eu desejo hoje, de verdade, no meu aniversário, é a junção de um certo ar de naturalidade e um punhado de liberdade.

E a esperança declarada do hábito do bom gosto.

Não vou negar que tenho saudade de certa juventude e de mim mesmo assim frugal.

De escrever no amarelado moleskine no parapeito da janela natural.

De alguma essência de paz entre o sopro do dia e o do crepúsculo.

De ser célebre pelo que eu era e não pelo que vestiria.

E de trilhar descoberto, sem conceitos.

Por isso mesmo que hoje, no meu aniversário, estou tirando a roupa toda pra caminhar cantando, pensando nas invenções dos séculos.

Cinema, rádio, smartphone.

Foguete, livro, psicanálise, headphone.

Torpor, amor.

TV, streaming, globalização.

Vida após a morte, comunicação.  

Eu tiro a bermuda, tiro a camiseta, eu tiro o conforto e caminho nu.

Se criarem um jeans humanizado e eu perceber que estou, de certa forma, transformado, aí sim, volto a me vestir.

Por enquanto, hoje, no meu aniversário, o presente soa como um país estrangeiro, muito postado em seu terno bem cortado.

E eu sou um homem jovem de algumas décadas, em que a única extravagância é ficar (des)pelado.

O futuro? O futuro pertence exatamente aos homens de alma jovem.

Hoje, no meu aniversário, sou este tempo, desarmado, desafetado.

Vestido tão-somente de mim.

Sem disfarce, sem filtro, espírito nu. E sem fim.

Por: Marco Jardim (@marcoajardim no Instagram)

1

Mais recentes

Defensor Público cobra de candidatos projetos de inclusão voltados às pessoas com deficiência

Em outubro teremos eleições para a escolha de prefeitos e vereadores. Será que nas plataformas de campanha e planos de governo, os candidatos têm programas…

Fimose: comum em meninos, o problema também pode afetar homens adultos e sua fertilidade

O tema é um tabu para os homens: fimose. A condição ocorre quando há excesso de pele envolvendo a cabeça do pênis. E embora seja…

Jornalismo profissional é verdadeiro antídoto contra a desinformação

Avaliação é de professor da Universidade da Beira Interior Jornalismo profissional é verdadeiro antídoto contra a desinformação Avaliação é de professor da U Falseamento de…

O jurista e o advogado

Ao ministrar palestra para a primeira turma do curso de Direito da Faculdade Bela Vista, um dos temas que abordei foi a diferença entre o jurista e…

Declaração de imposto de renda pode mudar para motoristas de aplicativo

O governo federal está propondo um Projeto de Lei que impactará diretamente os motoristas de transporte de passageiros por aplicativo. Segundo a proposta, 25% do…

Finlândia é o país mais feliz do mundo, pela sétima vez consecutiva

A Finlândia foi considerada o país mais feliz do mundo, pelo 7º ano seguido, segundo o Relatório Mundial da Felicidade realizado em parceria com a ONU.  A…

Catia Fonseca fala sobre homofobia no Melhor da Tarde e pede por justiça

Apresentadora trouxe o caso do produtor do programa que foi espancado e conversou ao vivo com jogador de vôlei que foi hostilizado por ser gay…

Quando estou com você

Subi as escadas do Amparo, vi seu rosto e uma expressão que não reconheci. E eu vi uma moça bonita e uma senhora com altivo semblante. Dei…

IMPOSTO DE RENDA 2024: Saiba como evitar a malha fina da Receita Federal

Os contribuintes têm entre os dias 15 de março e 31 de maio para entregar a declaração do Imposto de Renda 2024. Para não cair na…

É MEI e quer financiar um apartamento? Saiba como é possível

Professor do curso de Ciências Contábeis do Cesuca explica o que é necessário para conseguir realizar o sonho da própria moradia Independentemente da época do…

Escritora baiana lança livro que aborda espiritualidade e ancestralidade

Nesta quinta-feira, 29, a escritora baiana Kássia Luana lança seu quarto livro: Martina. Uma história forte e emocionante que promete impactar muitas pessoas por sua…

Expectativa por ata do Fed e retorno do mercado chinês deixam dólar volátil

Dólar abre em leve queda nesta segunda-feira, com mercado a espera da Ata da última reunião do Fed, em dia de liquidez reduzida nos Estados…

Marvel ou DC? Nenhum! Herói brasileiro desafia narrativas mainstream

Esqueça Homem-Aranha e Batman. Em “O Cidadão Incomum”, os brasileiros agora têm um super-herói que vive dilemas e alegrias da vida real. No enredo, Caliel…

Faturamento de exportações da piscicultura brasileira cresce 4% em 2023

As exportações da piscicultura brasileira atingiram U$S 24,7 milhões, em 2023, com aumento de 4% em comparação a 2022. Em toneladas, foi registrada queda de…

Fraudes no carnaval: Como o e-commerce pode se prevenir dos golpes mais comuns?

Mesmo tendo como tônica a folia, o Carnaval também é um período de grande movimentação no e-commerce. Isso porque os foliões querem garantir espaço nas…

Rolar para cima